É FUNDAMENTAL TER UMA BOA CLIMATIZAÇÃO

As pessoas passam 80-90% do seu tempo dentro de portas.

2022-11-24T08:00:00.0000000Z

2022-11-24T08:00:00.0000000Z

Cofina

http://quiosque.cofina.pt/article/283124252895850

C - Studio

Ter uma boa climatização dos espaços, sejam casas, empresas ou edifícios públicos ou privados, é importante por diversos motivos. “Desde logo por razões de saúde pública”, começa por explicar Nuno Roque, secretário-geral da APIRAC – Associação Portuguesa das Empresas dos Sectores Térmico, Energético, Electrónico e do Ambiente, acrescentando o “conforto e qualidade de vida, independentemente de se tratar de áreas residências, de trabalho ou de lazer”. Depois, aprofundando esses pontos, encontram-se benefícios que se cruzam com as necessidades básicas da nossa vida e cuja carência seria catastrófica. Nuno Roque refere-se à “questão da produção, distribuição e armazenamento alimentar, produção e conservação farmacêutica, serviços e cuidados hospitalares, ou preservação de dados, apenas para dar alguns exemplos”. A importância de uma boa climatização nos espaços ganha ainda mais relevo no nosso país, onde a baixa qualidade de boa parte das habitações leva a que muitos portugueses sintam calor no verão e frio no inverno. Os bons sistemas de climatização ajudam a defender, por isso, a saúde dos portugueses? “Claro que sim”, responde o responsável da APIRAC, prosseguindo: “E na sua relação custo/benefício encontramos soluções inigualáveis, do ponto de vista da eficácia (capacidade de resolver o conforto rapidamente), quer do ponto de vista da eficiência (inigualável transformação de kW elétricos em kW térmicos), e, tão ou mais importante, a proteção da qualidade do ar interior, onde as pessoas passam 80-90% do seu tempo de vida.” O setor está forte Face à tão grande importância do setor da climatização, quisemos saber como se encontra atualmente esta área de atividade em Portugal. “O setor globalmente reagiu muito bem, apesar de enormes constrangimentos causados por áreas da comunicação social durante o tempo da pandemia, que da forma mais inqualificável criaram anátemas sobre a influência e responsabilidade que a tecnologia e os equipamentos poderiam aportar à saúde das pessoas”, afirma Nuno Roque. O secretário-geral da APIRAC continua, referindo que, felizmente, a experiência e os especialistas conseguiram demonstrar a falsidade de tais afirmações. “Ainda hoje aguardamos o retratamento de certos operadores e comunicadores que de forma irresponsável puseram em causa o negócio e a vida familiar de milhares de portugueses. Já para não falar do que aconteceu em escolas e lares…” Nuno Roque informa que, atualmente, o setor da climatização representa 2.000 M€, 25.000 postos de trabalho e 3% das exportações de máquinas, correspondendo a 1% do PIB nacional.

pt-pt