Partido de Bolsonaro multado por “má-fé”

Tribunal Superior Eleitoral rejeita queixa que pedia anulação de mais de metade dos votos e acusa Partido Liberal de tentar “incentivar movimentos criminosos e antidemocráticos”

DOMINGOS GRILO SERRINHA CORRESPONDENTE BRASIL

2022-11-25T08:00:00.0000000Z

2022-11-25T08:00:00.0000000Z

Cofina

http://quiosque.cofina.pt/article/282763475644968

MUNDO MUNDO

Orpresidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil (TSE), Alexandre de Moraes, rejeitou o pedido do Partido Liberal (PL), do Presidente Jair Bolsonaro, para anular a eleição de Lula da Silva e multou o partido em 4,16 milhões de euros. Para Moraes, o PL não provou as alegadas irregularidades que denunciou e agiu de má-fé. “A total má-fé do requerente em seu esdrúxulo e ilícito pedido, ostensivamente atentatório ao estado democrático de direito e realizado de maneira inconsequente com a finalidade de incentivar movimentos criminosos e antidemocráticos que vêm obstruindo diversas rodovias e vias públicas em todo o Brasil, ficou comprovada, tanto pela total ausência de quaisquer indícios de irregularidades, quanto pela existência de uma narrativa totalmente Partido fraudulenta dos factos”, considerou o magistrado ao recusar dar andamento ao pedido para anular a eleição. Na petição, o PL pedia a anulação dos votos de 279 mil urnas eletrónicas, 58,18% do total, mas só da segunda volta. Moraes respondeu que só analisaria o pedido se a contestação abrangesse também a primeira volta, já que as urnas usadas foram as mesmas, mas o partido recusou, pois colocaria em risco os 99 deputados que elegeu. O magistrado também bloqueou o Fundo Partidário, dinheiro dos cofres públicos que os partidos recebem para se manter, impedindo o PL de pagar a multa com ele.n Linda Thomas-Greenfield, diz que Putin está “a fazer do inverno uma arma para infligir sofrimento ao povo ucraniano”. “Os líderes ucranianos podem resolver a situação se aceitarem as condições da Rússia, pondo fim ao sofrimento da população”, respondeu o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, acrescentando que todos os alvos têm importância militar, “direta ou indiretamente”.n

pt-pt